Toda e qualquer ação no campo traz consequências para a lavoura e para o meio ambiente. Trata-se de uma afirmação um tanto alarmante, mas todos nós sabemos que é verdadeira. As suas decisões, como produtor rural ou consultor técnico, repercutem, senão hoje, no futuro próximo. E a escolha e utilização dos fungicidas entra no topo dessa lista, já que se trata de uma decisão séria que pode comprometer a lavoura e a produção como um todo. 

E o que isso tem a ver com os fungicidas estarem perdendo a eficácia?

Os fungicidas estão perdendo a eficácia porque eles têm sido, muitas vezes, utilizados de forma equivocada. A grande maioria dos fungicidas utilizados hoje na agricultura apresentam maiores performances quando utilizados preventivamente, ou seja, antes do acometimento das doenças. 

No início do ciclo, as doenças evoluem lentamente, isso porque as plantas apresentam maiores níveis de defesa vegetal. O que acontece é que, na grande maioria das áreas de produção, os produtores começam a realizar seus manejos de enfermidades a partir do momento em que a cultura já apresenta uma estatura maior, e isso, associado a uma tecnologia de aplicação insuficiente, provoca a não chegada de ingredientes ativos de fungicidas na concentração suficiente no baixeiro para proteger a planta do estabelecimento e progresso de doenças. 

A partir deste estabelecimento e aparecimento dos sintomas, perdas de produtividade já estão ocorrendo e não poderão ser recuperadas.

Esta prática favorece a ”pressão de seleção” sobre os inóculos, fazendo com que ocorra uma redução da sensibilidade dos fungos (adaptação) a ingredientes ativos, obtendo  menores índices de controle e reduzindo a performance e eficácia dos fungicidas. A partir daí, surgem isolados tolerantes àquele fungicida até que, com o passar do tempo e as constantes utilizações incorretas, ele acaba tendo um efeito de eficácia muito baixo para o controle de fungos do patossistema onde foi exposto.

Por isso, dizemos que um fungicida pode perder a eficácia quando é mal aplicado, com doses equivocadas, ou quando é utilizado em momentos inadequados. 

Sobre as consequências da baixa eficácia de controle dos fungicidas, não precisamos nos aprofundar, mas interferem diretamente na produtividade, na rentabilidade e na sanidade da lavoura.

Algumas variáveis que interferem na eficácia dos fungicidas:

  • Ensaios mostram que existe uma variabilidade diferente de fungos de região para região. Ou seja, o fungicida que funciona em um local pode não apresentar os mesmos resultados em outro.
  • Os fungos apresentam sensibilidades diferentes dependendo do estágio da cultura, o que dificulta a linearidade da ação do fungicida em todas as fases da planta.
  • Os fungos apresentam também sensibilidades diferentes dependendo do estágio do seu próprio metabolismo. Por essa razão, alguns pesquisadores recomendam o uso de fungicidas multissítios, que agem em vários pontos do metabolismo do fungo (patógeno).
  • Alguns fungos se adaptam aos fungicidas devido a pressão de seleção, reduzindo a eficácia de controle.

 

Você também pode se interessar por esses outros conteúdos:
Como a DigiFarmz sabe as condições climáticas da minha lavoura?
Preciso ter algum programa para trabalhar com a plataforma DigiFarmz?

 

Dicas para aumentar a eficácia dos fungicidas:

  • Utilizar misturas com fungicidas que possuem mecanismos de ação diferentes, além da adição de protetores, que possibilitam incremento de residual do produto além de contribuir para a manutenção da eficácia dos fungicidas.
  • Rotacionar mecanismos de ação durante o ciclo da cultura, evitando a exposição demasiada dos mesmos ingredientes ativos.
  • Sempre utilizar as doses recomendadas pelos fabricantes.
  • Sempre iniciar o manejo fitossanitário preventivamente, aproveitando a máxima performance dos produtos.
  • Usar a tecnologia como uma aliada para saber o momento certo de utilizar os fungicidas, além de saber como usá-los da forma correta.
  • Conhecer o histórico da área e da região, identificando os alvos mais comuns, de forma a escolher os fungicidas que serão mais eficazes para sua situação, além de estudar a necessidade da utilização de reforços.
  • Empregar uma tecnologia de aplicação eficaz, possibilitando a deposição do produto correto no local correto com a dosagem correta. Não adianta comprar o melhor fungicida sem assegurar que ele tenha a melhor performance.
  • Conhecer, com detalhes, a eficácia de cada fungicida antes de aplicá-lo. 

É sempre bom lembrar que tomadas de decisões incorretas envolvendo o manejo fitossanitário podem levar ao desenvolvimento de doenças que poderiam ter sido prevenidas anteriormente. 

Por isso, muna-se de todas as informações e avanços tecnológicos do setor para ajudar você nessa importante missão: escolher os fungicidas com mais eficácia e que respondam às demandas do produtor rural e de todo o agronegócio. Todos nós somos responsáveis e ganhamos com isso.

A DigiFarmz está ao seu lado nesse compromisso, ajudando você a decidir quais os melhores defensivos para a sua propriedade e para a sua cultivar e o momento ideal de utilizá-los. A nossa missão é ser a sua referência de informações e conteúdo para que você possa tomar as melhores decisões para uma máxima produtividade e rentabilidade.

Deixe uma resposta